fundo parallax

Copo meio cheio meio vazio

A dor que cura e enobrece
14 de dezembro de 2019
Ser sujeito ou objeto
16 de dezembro de 2019
Muito tem me incomodado a leitura que virou senso comum do copo meio cheio/meio vazio.
Nessa leitura, os otimistas ficam com a percepção de que o copo está metade cheio, sobrando a perspectiva do copo metade vazio aos pessimistas.
Creio que é bom ser otimista quando se inicia um projeto, qualquer que seja, pois na minha visão, ser otimista é acreditar que vai dar certo, e como vou iniciar um projeto acreditando em seu fracasso?
Enquanto que ser pessimista é acreditar que tudo dá errado.
Eu tenho outra percepção do copo, da vida, do que seja ser otimista, pessimista ou realista, e sempre opto pela última perspectiva; aceitar o que é real.
Quando acredito que tudo vai dar certo, ignorando possibilidades do contrário, isso faz com que eu fuja da realidade para um sonho/ilusão, porque acreditar que tudo vai dar certo é uma ilusão. Da mesma forma que acreditar que tudo vai fracassar.
O realista (e agora já nem sei se sou realista, se é assim que se nomina o que eu sou), procura ver o real, o fato.
Eu procuro ver que tudo está certo.
Que há uma força cósmica que nos tirou do caos e nos colocou no cosmos, e que essa força que a tudo rege, é uma força de Bem.
Então quando vejo um copo pela metade, com qualquer líquido que seja: doce, amargo, azedo ou neutro, procuro me fixar apenas nisso; meio copo.
Porque se o líquido for amargo, só me restará mais metade, e se tiver sido doce, ainda tem metade para eu sorver.

Ou seja, quando vejo um copo pela metade, procuro apenas ver um copo e nada mais.
Nos ensinaram que é como vemos e percebemos a vida que nos fará bem ou não. Concordo.
Mas não creio que isso tenha a ver com pessimismo ou otimismo.
Creio que tem a ver com o É!
É um copo. Apenas isso.
Lide com seu copo.
Sorva a vida!
E se o líquido for amargo, experimente o amargo, deve te servir pra algo.